Em reunião ordinária, secretário de Educação presta esclarecimentos
Jairo Gebien ocupou a Tribuna na sessão ordinária desta quinta-feira, dia 16
por Redação 17/05/2019 às 15:06


A desocupação emergencial das escolas, a acessibilidade nas instituições de ensino e o transporte escolar no município foram alguns dos assuntos discutidos na sessão ordinária desta quinta-feira (16). O secretário de Educação, Jairo Gebien, ocupou o espaço da Tribuna, atendendo à convocação dos vereadores Caroline Laís Bertoldi (Progressistas) e Diego Pandini (Progressistas). 

O primeiro tema abordado pelo secretário foi a lei nº 5.432/2017, que trata do planejamento e do treinamento para evacuações emergências nas escolas públicas e privadas do município, de autoria do vereador Pandini.  Segundo Gebien, representantes da Secretaria da Educação, dos bombeiros voluntários e os técnicos de segurança do trabalho já estão se reunindo para criar o plano de evacuação nas escolas.  

– No próximo dia 28 estaremos fazendo a primeira reunião com todos os diretores das escolas e unidades, para traçarmos os primeiros encaminhamentos para o trabalho deste plano de fuga/evacuação para as escolas e unidades de educação infantil –, salientou. 

A acessibilidade nas escolas também ganhou destaque no pronunciamento do educador. Embora reconheça que muito ainda deve ser feito nas instituições de ensino, Gebien explicou que a Secretaria de Educação está adequando os espaços escolares que atualmente comportam crianças com necessidades especiais, para atender aos estudantes da melhor forma possível. 

Em outro momento da reunião, Gebien elencou os critérios usados pela Secretaria de Educação para definir as rotas do transporte escolar no município. Conforme frisou, para ter direito ao transporte escolar os alunos devem ter idade igual ou superior a quatro anos e residir a uma distância mínima de três quilômetros da instituição de ensino. Além disso, as crianças portadoras de necessidades especiais são transportadas por veículo adaptado da Secretaria de Educação. 

Questionado sobre a lei nº 5.632/2019 – que diminui a distância exigida para que o aluno tenha direito ao transporte escolar, de três para um quilometro –, Gebien esclareceu que a Secretaria não tem previsão orçamentária para diminuir esta quilometragem. “Hoje, com a demanda de três quilômetros, nós temos um investimento mensal de mais de R$150 mil. Com a redução dessa quilometragem para um quilometro, o nosso orçamento passaria a mais de R$700 mil ao mês”.   Cumprindo a lei, segundo o gestor, a secretaria deixaria de fazer outros investimentos também prioritários, como reformas, ampliações e oferta de novas vagas nas unidades de educação infantil.